A América Latina, entre a dengue e colapsos sanitários (6/7)

Enquanto todos no mundo voltam sua atenção para a COVID-19, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) assinala que em 2019 a dengue atingiu o patamar de 3.139.335 casos de infecção transmitida por mosquitos, causando 1.538 mortes na América Latina.

Colômbia

Iniciativas governamentais específicas pretendem garantir a continuidade do fornecimento de água potável, assim como a limpeza e desinfecção frequente dos espaços públicos.

O governo assumiu o compromisso da reconexão aos serviços de água, gratuitamente, de pessoas anteriormente desconectadas do sistema. Aplicou também descontos na cobrança das taxas de esgoto e suspensão de impostos em insumos para potabilização de águas.

Em algumas zonas sensíveis do país iniciou a escavação de poços e o envio constante de caminhões pipa para abastecimento.

El Salvador

Após decisão governamental, El Salvador suspendeu o pagamento das taxas para água, energia elétrica, telefone e internet durante 3 meses que deverão ser pagos nos próximos dois anos, sem a perda de nenhum direito ou qualificações creditícias.

Esta suspensão se aplica à pessoas naturais ou jurídicas afetadas pela pandemia, como autônomos, trabalhadores que perderam seus empregos, restaurantes, micros ou pequenas empresas que perderam seus vencimentos, artistas, entre outros.

Perú

A Superintendência Nacional de Serviços e Saneamento (SUNASS) informa que as empresas prestadoras de serviços de água potável e saneamento não podem suspendê-los por falta de pagamento.

Estabeleceram protocolos de segurança para medidas emergenciais e de manutenção do sistema, iniciando também campanhas de educação ambiental, principalmente dado o aumento do consumo residencial.

Equador

Sofreu um colapso em seu sistema de saúde que chocou o mundo, motivando pedidos públicos de desculpas das autoridades.

Estabeleceram protocolos de segurança especiais para os serviços ampliados e aos trabalhadores do sistema de saneamento.

WOP-LAC (Aliança Mundial de Operadores de Água na América Latina e no Caribe)

São 15 as empresas operadoras de águas, nos 8 países pertencentes à WOP-LAC, que estão em: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Honduras, México e Uruguai.

Financiadas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), estas empresas estão com operações centradas nos aspectos operacionais, visando a manutenção dos serviços prestados.

Visam também garantir as medidas já em andamento quanto a resolução de problemas de fornecimento ou escassez, como no caso crítico do Chile.

Bloquearam seus centros de atenção aos clientes, intensificando o uso da internet para soluções alternativas em atendimento. Também estão reorganizando suas formas de trabalho de modo a preservar a saúde de suas equipes e operadores técnicos.

Veja mais

https://www.sunass.gob.pe/websunass/

http://www.aloas.org/institucional/Pages/Qu%C3%A9-es-WOPLAC.aspx

https://www.tni.org/es/art%C3%ADculo/la-red-de-empresas-hermanas-para-america-latina-y-el-caribe-wop-lac-un-analisis-critico?content_language=en

http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/sem-categoria/covid-19-recomendacoes-aos-viajantes-brasileiros-3

https://www.bbc.com/mundo/noticias-internacional-51872622

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Europa, o epicentro e desafios insurgentes à resiliência (5/7)

El impacto de la COVID-19 en el sector del agua (7/7)